Informação avançada pelo Novo Jornal cita encontro de lideranças da oposição angolana. Costa Júnior e Chivukuvuku disputariam as presidenciais pela Frente Patriótica Unida, uma coligação entre UNITA, BD e PRA-JA.

Fonte : DW

O dirigente da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), Adalberto Costa Júnior, terá sido o escolhido para liderar a Frente Patriótica Unida na corrida às eleições de 2022.

A notícia é avançada pelo Novo Jornal, que dá conta de uma “reunião secreta” do projeto que junta a UNITA, o Bloco Democrático e o PRA-JA Servir Angola numa tentativa de derrotar o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) no próximo pleito presidencial.

Segundo o jornal angolano, o plano é formar a coligação tendo o líder do maior partido da oposição, Adalberto Costa Júnior, como número um da lista e o líder do projeto político PRA-JA, Abel Chivukuvuku, como número dois.

A reportagem do Novo Jornal cita uma fonte presente ao encontro para salientar que a reunião ocorre a portas fechadas esta semana e trabalha também na composição da futura lista dos candidatos a deputados da Frente Patriótica Unida – entre os quais, além dos partidos, nomes “sonantes na sociedade civil”.

Empenho para 2022

A coligação da oposição angolana encontra algum ceticismo quanto à sua robustez e articulação para a disputa do pleito presidencial de 2022, embora, por outro lado, muitos acreditem que a aliança já esteja a tirar sono ao MPLA. 

Em abril, Adalberto Costa Júnior garantiu que “a UNITA estava amplamente empenhada em liderar uma frente unida e democrática para materializar a alternância do poder político em 2022”.

Costa Júnior considerou que há um “sonho adiado de uma Angola inclusiva e participativa com um Governo que assuma o compromisso de uma ampla revisão da Constituição através diálogo”” abrangente. Volume 90%.

Fonte : DW