Adalberto Costa Júnior é a Personalidade do Ano escolhida pela redacção do Valor Económico. Ao contrário das cinco opções anteriores, em que o debate foi invariavelmente exaustivo, desta vez, a escolha foi incontroversa entre os jornalistas desta casa. O presidente da Unita destacou-se largamente, sobretudo, pelo critério da relevância política. É em torno dele que giraram os factos políticos mais significativos do ano. Mas, em termos simbólicos, Adalberto Costa Júnior foi mais longe. Foi ao limite de obrigar o regime a exibir publicamente as novas linhas com que costura e renova a autocracia. Sem pejo, sem remorsos e sem a menor dissimulação, o poder serviu-se da justiça para tentar cortar os pés a Adalberto Costa Júnior. E a procissão ainda vai no adro, mesmo que o preço a pagar seja a descredibilização total, e sem apelo, de uma instituição com a relevância do Tribunal Constitucional. Isto depois de a instrumentalização da comunicação social pública ter atingido níves vexatórios, ao incluir, além de um combate cerrado a Adalberto, uma agenda de censura que tem mantido o líder da Unita longe dos estúdios da TPA, da RNA e pares.


Contas feitas, no pós-guerra, não há memória de um ataque tão repulsivo e descarado do poder contra um adversário político. Assim como há registo de um opositor que tenha virado o MPLA de patas para o ar, ao ponto de perder a cabeça e antecipar sentenças dos tribunais contra adversários políticos, além de ceder vergonhosamente à xenofobia e ao racismo. Factos que, no seu conjunto, acabaram entretanto por criar um efeito boomerang, alavancando o Marketing do líder da Unita.
No plano das ideias, Adalberto Costa Júnior também se vincou a leste dos seus opositores, granjeando inegável simpatia extramuros. A concretização de uma frente unida da Oposição aberta à sociedade juntou-se ao intransigente discurso da incontornável reforma do Estado. Uma reforma entendida como aquilo que será o verdadeiro início do caminho do desenvolvimento. Na dimensão filosófica e, claro, no plano prático.


Obs. O Valor Económico estreou-se, em 2016, com a publicação da ‘Personalidade do Ano’. Trata-se de uma edição especial de periodicidade anual em que é identificada uma pessoa, um grupo, uma instituição, uma ideia, um evento, um facto ou uma invenção que mais se tenha destacado ao longo do ano, em Angola.
À semelhança dos exemplos dos media internacionais, a ‘Personalidade do Ano’ não representa necessariamente uma distinção de mérito ou de qualidade, por feitos positivos.


Através de critérios marcadamente objectivos, a ideia é apontar o indivíduo ou o facto (como identificado acima) que, por razões diversas e que podem ser de cariz negativo, tenha marcado, de forma diferenciada, o ano. Os critérios são flexíveis e são ajustados, conforme o jornal o entender justificável. Entretanto, a repercussão e a relevância política, económica e social, além da exposição mediática são permanentes. Depois de Isabel dos Santos em 2016, João Lourenço em 2017 e 2018, o IVA em 2019 e a Covid-19 em 2020, desta vez, a escolha recaiu sobre o presidente mais uma vez eleito da Unita, Adalberto Costa Júnior.


Fonte: https://valoreconomico.co.ao/